Nossa Senhora da Nazaré, padroeira da nossa terra



Permitam-me a ousadia de incluir neste capítulo a nossa Padroeira, Nossa Senhora da Nazaré. Foi pessoa como nós, mãe solícita do Filho de Deus e nossa mãe também, catalisadora da aproximação à Boa Nova de Jesus Cristo, sinal visível da ternura e do amor, auxiliadora dos aflitos, protetora dos navegantes, congregadora dos desavindos, inspiradora da verdade, da justiça e da paz. 
Ao certo, não se sabe como nasceu esta devoção pela Senhora da Nazaré. Terá alguma ligação à Palestina e à então Vila da Nazaré, onde D. Fuas Roupinho por ela foi salvo de morte iminente? 
O Padre Domingos, coautor do livro “Invocações Marianas na Diocese de Aveiro”, recorda a lenda que garante ter vindo a imagem da nossa padroeira da Palestina. «Após vários imprevistos foi posta [a imagem] numa pequena Ermida, conhecida por capela da memória, na antiga povoação de Nazaré», sublinha o antigo Prior da Gafanha da Nazaré. E dali, algum navegante a terá trazido para a Gafanha, quando não foi adquirida a algum comerciante de imagens e objetos antigos. 
Por sua vez, o Padre José Fidalgo, no Timoneiro de Julho de 1991, afirma que «é quase certo que estamos perante a ligação ao fator pescas». E acrescenta: «com toda a segurança, podemos afirmar, que foi alguém dessas paragens [vila da Nazaré] que trouxe, para a nossa vila, a imagem do século XVII que hoje existe na paróquia.» 
Entretanto, no mesmo artigo, afirma que o Prior Sardo não autorizou a introdução de outra invocação a Nossa Senhora. Frisou que o nosso primeiro prior «era muito devoto da Virgem Maria e, talvez ninguém saiba, prova disso foi a sua ida a Lurdes. No entanto nunca introduziu aqui o culto a Nossa Senhora de Lurdes. Manteve a ligação a Nossa Senhora da Nazaré, em ligação à Imaculada Conceição». 
É oportuno dizer, ainda, que a primeira irmandade assumiu a Padroeira como sua protetora, e que o culto a Nossa Senhora da Nazaré foi sempre seguido pela nossa gente. 
A festa anual, no último domingo de Agosto, exclusivamente religiosa ou mais popular, com música, arraial, foguetes, missa solenizada e procissão uniu, com toda a naturalidade, os gafanhões e quantos nesta terra se fixaram, tornando-se iguais a nós, em direitos, obrigações e devoções. 

Fernando Martins, 

No livro “Gafanha da Nazaré — 100 anos de vida”

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda