Tecendo a vida umas coisitas - 303



PITADAS DE SAL – 33



O VESTUÁRIO DOS MARNOTOS
Caríssima/o:

Olhando para as imagens que encabeçam o escrito e tendo presente o dito chinês que põe uma imagem a valer mil palavras, o melhor que teria a fazer era silenciar-me tantas e tão díspares mensagens nos ficam disponíveis. Se não, surge a tentação da interpelação…
Se hoje é assim (ausência quase total de tecido a cobrir e proteger o corpo), como foi outrora?
As reconstituições folclóricas respondem-nos:

« No século XIX, o operário salícola trajava
manaia (espécie de calção)
e camisa branca em linho ou tecido cru, sem colarinho e sem punhos;
faixa preta ou encarnada;
barrete de fazenda de lã ou chapéu preto de aba larga
e lenço vermelho de algodão estampado.»

Podem acrescentar-se alguns pormenores:
As manaias, bragas ou calções, seriam largos de cor azul em algodão;
A camisa também poderia ser de lã branca;
Faixa preta ou encarnada à cintura;
O chapéu preto de feltro e o barrete de fazenda de lã;
O lenço preso com uma caixa de fósforos.

Já agora digamos que «o pescador diferenciava-se no vestir com seu carapuço preto de lã, camisa axadrezada em quadros de uma só cor e ceroulas de iguais padrões, tudo em lã, enquanto à cinta vestia uma faixa preta de semelhante qualidade, com franjas nas extremidades. De uma maneira geral, pelo final do outono e no inverno, todos usavam o tradicional gabão com mangas, romeira e capuz, de burel à semana, preto para festas e uso dominical».

E para terminar só uma olhadela para a salineira que «usava saia garrida comprida e blusa de motivos claros, com rendas nas mangas; por cima da saia, um avental de serguilha e, sobre a blusa, um xaile colorido, de franjas longas, traçado da esquerda para a direita; normalmente, andava descalça ou calçava chinelas pretas envernizadas, enquanto que na cabeça usava um chapéu de aba larga arqueada, onde prendia um lenço de lã, também garrido».

                                                                         Manuel

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda