quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Moliceiros de parede



Uma boa forma de manter presentes vestígios do passado será esta de fixar nas paredes, ao gosto de cada um, moliceiros e outras embarcações da nossa Ria. Não faltam artistas com habilidade reconhecida para nos ajudarem na escolha dos modelos, réplicas fiéis dos originais que se vão perdendo. É certo que há livros que nos brindam com belas imagens, mas na parede talvez tenha a sua graça. Penso eu.

Vi aqui

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Imagens que não voltam. Mas...


Nos meus arquivos, certamente como noutros, há imagens antigas, daquelas que estão apenas na memória de alguns. Não é motivo de drama, longe disso, porque as que podemos registar, nos dias de hoje, também têm o seu encanto. E muito, diga-se de passagem. O que acontece é que, por tantas haver e por tantas podermos guardar, até parece que se tornam coisa sem novidade, quiçá banais. Aqui fica esta foto que correu mundo como postal ilustrado da nossa ria...

BAKALHAU: Exposição Coletiva


Ponte do Forte da Barra

Fonte: Arquivo do Distrito de Aveiro





Nota: A imagem da ponte refere-se a um desastre: A ponte ruiu quando por ela passava uma camioneta do senhor Manuel Ramos carregada de areia.

Ler a história da ponte que ruiu aqui

- Posted using BlogPress from my iPad

domingo, 27 de janeiro de 2013

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 329


POSTAL DO PORTO – 194 


NÃ!!… AQUI HÁ COISA!... 

Caríssima/o: 

Olhar conceituoso e interpelativo de nossas Mães… 
Comecei por escrever neste postal. E, na verdade, quer sejamos ‘ele’ ou ‘ela’, lá chega a ocasião em que acena a cabeça e, um tanto incrédula, sentencia de cara ao lado para o Pai estonteado: 
- Nã!... Aqui há coisa! 
Se nos deixássemos ficar a observar a capoeira, notaríamos as correrias tresloucadas, o cacarejar mais rasgado, o arrastar das asas do galaró à volta da poedeira agachada e ouviríamos a frase desprevenida e certeira da nossa avó adormecida ali sentada: 
- Nã!... Aqui há coisa! 
E toda esta lengalenga porquê? 
Pois: “Luar de Janeiro é o primeiro.”; “Luar de Janeiro não tem parceiro.”; “Não há luar como o de Janeiro.”; “Não há luar como o de Janeiro nem amor como o primeiro.” 
É isso: o luar de Janeiro! Mas eu diria tão-só: o luar! Ou até que nessa noite chovesse: a combinação estava feita; à hora marcada, instrumentos agasalhados, garrafa de “refresco” atestada, bicicletas a rolar, as gargantas iam-se aquecendo e afinando o canto. A quem apreciasse a cena por trás da vidraça não restariam dúvidas: «Estes perderam o juízo, com este frio e a chover desalmadamente!...» Lá seguíamos lentamente, como que à toa, até ziguezagueando, com equilíbrios incríveis fazendo inveja aos equilibristas da Feira de Março com as bicicletas de uma só roda!... Enfim deixem-nos ir que o que pagou a “garrafada” sabe o que o move e a ansiedade não o fará perder o norte nem passar além da janela que acesa aguarda ária simples, melodiosa, graciosa, … amorosa. 
O tempo voou! Contudo a memória das serenatas perdura e é sempre tema de conversa animada e de ruidosas e sonantes gargalhadas. 
Bom luar de janeiro para a Juventude! 

Manuel

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Ponte das Portas d'Água

Fonte: Arquivo do Distrito de Aveiro



- Posted using BlogPress from my iPad

Bela imagem da Costa Nova do Prado

Costa Nova do Prado

O portal da Câmara Municipal de Ílhavo oferece aos seus visitantes esta bela imagem da nossa Costa Nova do Prado, fugindo ao que é tradicional (casas às riscas coloridas), quando se fala desta sala de visitas do concelho de Ílhavo.  De quando em vez, ou regularmente, importa mostrar outras perspetivas das nossas terras e das nossas gentes. Eu sei que muitos o fazem, mas é preciso insistir. Eu vou fazer um esforço nesse sentido. E quem quiser colaborar comigo tem as portas abertas. É só dar um sinal.

Fotografia no Centro Cultural de Ílhaco





Nota: Para mais informações, contactar o CCI, tel: 234 397 260 ou e-mail centrocultural.se@cm-ilhavo.pt

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Paquetes Portugueses - Retratos da sua História

Até 31 de janeiro no Museu Marítimo de Ílhavo




«Expor a frota de paquetes nacional ao abrigo de um protocolo de cooperação estabelecido entre a Câmara Municipal de Ílhavo e a Marinha Portuguesa significa invocar as realidades e imaginários do transporte marítimo português, as grandezas e fracassos da política colonial e questionar as razões pelas quais Portugal, recentemente, se afastou das suas “Marinhas”. A beleza e grandiosidade dos navios da frota de paquetes portuguesa remetem para viagens entre espaços e tempos de um país que precisa outra vez de se reinventar.»

Fonte: MMI

Laboratório Histórico-Matérias Primas e Arte Nova

Sábado, 26 de janeiro, antiga Capitania

Antiga Capitania


«A Câmara Municipal de Aveiro informa que, no próximo sábado, dia 26 de Janeiro, irá decorrer, entre as 9h00 e as 19h00, no Edifício sede da Assembleia Municipal de Aveiro – Antiga Capitania do Porto de Aveiro, o Laboratório Histórico- Matérias Primas e Arte Nova, dinamizado no âmbito da RESEAU ART NOUVEAU NETWORK.
Este evento insere-se no contexto das acções do projeto “Arte Nova & Ecologia”, onde a Réseau Art Nouveau Network planeou uma série de cinco laboratórios históricos e um simpósio internacional, organizados por 14 cidades e regiões europeias: Ålesund (NO), Aveiro (PT), Bad Nauheim (DE), Barcelona (ES), Bruxelles-Brussel (BE), Glasgow (EN), Helsinki (FL), La Chaux-de-Fonds (CH), La Habana (CU), Ljubljana (SL), Nancy (FR), Região da Lombardia (TI), Riga (LV) e Terrassa (ES).»

Por ler mais aqui

Fonte: CMA

domingo, 20 de janeiro de 2013

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 328

POSTAL DO PORTO – 193 


UM SERMÃO 

Caríssima/o: 

Sinceramente que nunca me preocupei com a sorte do galo pilhado nos Reis desse longínquo ano (muito criança eu era para tal) e menos ainda com o «ladrão». O certo, contudo, é que, depois de enviar o postal para publicar, encontrei um extrato dum sermão de Padre António Vieira. Deixou-me um tanto confuso, pois agora não sei quem era o ladrão: se a dona que o queria comer se quem efetivamente se regalou com ele! 
Para evitar más interpretações (que possam surgir depois da leitura do sermão) sempre direi que quem quer que formule ou imagine comparação com os dias que vamos vivendo por ela se responsabilizará. 
E pregou assim: 

«Suponho, finalmente, que os ladrões de que falo não são aqueles miseráveis, a quem a pobreza e vileza de sua fortuna condenou a este género de vida, porque a mesma sua miséria, ou escusa, ou alivia o seu pecado, como diz Salomão: Non grandis est culpa, cum quis furatus fuerit: juratur enim ut esurientem impleat animam. 

O ladrão que furta para comer, não vai, nem leva ao inferno; os que não só vão, mas levam, de que eu trato, são outros ladrões, de maior calibre e de mais alta esfera (…) 

Não são só ladrões, diz o santo, os que cortam bolsas ou espreitam os que se vão banhar, para lhes colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força, roubam e despojam os povos. – Os outros ladrões roubam um homem: estes roubam cidades e reinos; os outros furtam debaixo do seu risco: estes sem temor, nem perigo; os outros, se furtam, são enforcados: estes furtam e enforcam. 

Diógenes, que tudo via com mais aguda vista que os outros homens, viu que uma grande tropa de varas e ministros de justiça levavam a enforcar uns ladrões, e começou a bradar: 

- Lá vão os ladrões grandes a enforcar os pequenos. 

- Ditosa Grécia, que tinha tal pregador!» [Padre António Vieira – Sermão do Bom Ladrão – 1655] 

E a minha confusão aumentou quando no final o pregador proclama: Ditosa Grécia! 

Manuel 

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Estudantes da UA ganham Prémio Ser Capaz

Cadeira de Rodas especial


«Daniel Correia, João Batista e Ricardo Pereira, estudantes do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica da Universidade de Aveiro (UA), venceram o Prémio Ser Capaz - Investigação e Tecnologia 2012, promovido pela Associação Salvador, com o projeto "Cadeira de Rodas Elevatória". Apoiado por Carlos Relvas e João Oliveira, docentes do Departamento de Engenharia Mecânica da UA, o projeto vencedor, ex aequo com outra equipa, consiste no desenvolvimento de uma cadeira de rodas que, sem qualquer fonte de energia externa, permite ao utilizador elevar-se o suficiente para, por exemplo, alcançar um balcão ou um multibanco.»

Fonte: Universidade de Aveiro

Ler mais aqui

RTP estreia programa "Aqui Portugal" em Ílhavo

No Museu Marítimo de Ílhavo, 
sábado, 19 de janeiro

Jorge Gabriel e Sónia Araújo


«No próximo sábado, dia 19 de Janeiro, a RTP estreia o novo programa de televisão da tarde de sábado, “Aqui Portugal”, numa emissão de quatro horas em directo a partir do Museu Marítimo de Ílhavo. Com apresentação de Sónia Araújo e Jorge Gabriel, o novo programa “Aqui Portugal” proporcionará a todos os espectadores da RTP uma tarde de aventura e descoberta do melhor que há, numa viagem pela história, cultura, património e gastronomia do nosso País. Hélder Reis será o repórter “todo-o-terreno” juntando-se à equipa de apresentadores na condução do programa.
Marco incontornável da História e Cultura das gentes de Ílhavo, o Museu Marítimo de Ílhavo tem constituído uma aposta central da Câmara Municipal de Ílhavo na promoção e conservação do património do Município que tem “O Mar por Tradição”, acolhendo com muito gosto a estreia do novo programa da RTP.»

Fonte: CMI


- Posted using BlogPress from my iPad

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Entrada de navios no Porto de Aveiro


Santa Mafalda

Janeiro de 1957

«Depois de várias tentativas sempre conseguiram entrar os barcos arrastões “Santa Princesa”, “Santa Joana” e “Santa Mafalda”, da Empresa de Pesca de Aveiro (EPA). Tenho pena de toda a tripulação e dos prejuízos causados. O tempo é pouco para estardes com as vossas famílias. Aproveitai-o bem, bravos marinheiros.»

 Fonte “Timoneiro”

Nota: Esta efeméride mostra bem como a Barra da Aveiro era nesse ano, afinal como anteriormente e mesmo depois: Barra que assoreava frequentemente e cujas entradas dos navios se apresentavam muito complicadas. A expressão “Depois de várias tentativas…” é suficientemente elucidativa. E não é verdade que, atualmente, o prolongamento do molhe norte é mais uma tentativa para melhorar a boca da barra?

FM

Porto de Aveiro: Qualidade da Água para Consumo Humano



«Já se encontram disponíveis, no portal da APA, os mais recentes relatórios mensais de Qualidade da Água para Consumo Humano. O Porto de Aveiro disponibiliza estes relatórios mensalmente na web.»
A água é um bem preciso e indispensável à vida de todos os seres vivos. Mas nem toda a água está em condições de ser utilizada nas redes de consumo público. Daí a importância, cada vez maior, das análises periódicas, no sentido de se preservar a saúde das pessoas.

Para aceder a esses relatórios, clique aqui

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Para Schoenstattianos e amigos

27 de janeiro - 14.30 horas




- Posted using BlogPress from my iPad

Bolsas de Estudo atribuídas pela Câmara de Ílhavo

Entrega das Bolsas em 25 de janeiro


A Câmara Municipal de Ílhavo atribuirá neste ano letivo 21 Bolsas de Estudo a estudantes do Ensino Secundário e do Ensino Superior residentes no nosso Município, correspondendo 10 a novas Bolsas e 11 a renovações. 
O montante da Bolsa varia entre 51,13 euros e 102,25 euros, consoante se trate de um Aluno do Ensino Secundário ou do Ensino Superior. 
A atribuição de Bolsas de Estudo resulta da aposta da CMI em apoiar jovens, contribuindo para que sejam criadas condições para os mais necessitados prosseguirem os seus estudos após a escolaridade obrigatória. 
A entrega das Bolsas será feita no próximo dia 25 de Janeiro, pelas 18h30, no Fórum Municipal da Juventude de Ílhavo.

Efeméride: Estaleiros e Nau S. Vicente


Janeiro de 1957

Marcos Cirino com a sua Nau S. Vicente


«Estão em plena atividade os estaleiros de construção naval da nossa terra. No do Mestre Manuel Maria B. Mónica, onde se está a construir a Nau S. Vicente e o barco para pesca à linha do bacalhau — Ilhavense — trabalham atualmente 227 operários. No do Mestre Benjamim B. Mónica está o Ave Maria da Empresa de Pesca Lavadores, Lda, quase na hora do lançamento à água. A dar-lhe os últimos retoques trabalham agora 46 operários.»

Fonte: “Timoneiro”

Congresso da Região de Aveiro


O Conselho Executivo da Região de Aveiro agendou  o Congresso da Região de Aveiro 2013 para os dias 14 e 15 de março de 2013, alterando a data inicialmente prevista, 27 e 28 de fevereiro. A alteração deve-se ao facto de a data inicial coincidir com a presença da Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal na BTL - Feira Internacional de Turismo 2013, na qualidade de destino convidado, e onde a Região de Aveiro terá uma participação especial. Assim diz notícia publicada no portal da Região de Aveiro.
Um congresso poderá ser um momento muito importante para a reflexão que se impõe e que deve ser permanente sobre a nossa região, de múltiplas facetas. Importa, por isso, que as forças democráticas se empenhem e participem, direta ou indiretamente, fornecendo contributos para a discussão a ter lugar no Congresso da Região de Aveiro.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Efeméride: Portaria para a construção do Farol da Barra


Farol em construção


Janeiro de 1856: Nesta data foi assinada a portaria do ministro das Obras Públicas, engenheiro António Maria de Fontes Pereira de Melo, e dirigida ao diretor das obras públicas do Distrito de Aveiro, engenheiro Silvério Pereira da Silva, dando orientações para se avançar, rumo à futura construção do nosso Farol. Diz assim, na parte que nos interessa: 

«Há por bem sua majestade el-rei [D. Pedro V] ordenar que o director das obras públicas do distrito de Aveiro, de combinação com o capitão daquele porto, e com o director-maquinista dos faróis do reino, trate de escolher o local nas proximidades da barra que for mais próprio para a construção de um farol, — devendo o mesmo director, apenas se ache determinado o dito ponto, proceder, de acordo com o referido maquinista, à confecção do projecto e orçamento da respectiva torre com a altura conveniente para que a luz seja vista a dezoito ou vinte milhas de distância. 
Sua majestade manda, por esta ocasião, prevenir o sobredito funcionário de que encomendará em França, para ser estabelecido no mencionado local, um farol lenticular de segunda ordem, do sistema de mr. Fresnel, e semelhante ao que se destina para o Cabo Mondego, cujo desenho se lhe envia, com a diferença, porém, de ser girante para o distinguir dos faróis que ficam ao norte e ao sul daquele porto.» 

Fonte: “Gafanha da Nazaré — 100 anos de vida”

domingo, 13 de janeiro de 2013

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 327



POSTAL DO PORTO – 192 



E o galo, … viste-lo? 

Caríssima/o: 

Sempre que há festa na Terra, renova-se o ambiente, estralejam os foguetes e o riso é mais pronto e fagueiro, escancara-se a salgadeira e o jantar ressuma cheiro e aguça o paladar. Ah, meus amigos, a alegria espelhada nos rostos, provocada pela fartura, espalha-se por todo o canto. 
Também no dia do Cortejo de Reis a cena se repete: o lume acende-se mais cedo, as cozinheiras enchem-se de brios, a canela espalha-se sobre o arroz doce ou a aletria e cresce água na boca da pequenada que espreita na esperança de lamber a colher ou ter sorte maior e poder rapar o tacho! Oh maravilha! 

Porém, nesse ano, chegou o dia e a tradição não se cumpriu: a fogueira espreitou tímida para cozinhar um caldo magro. E ninguém reagiu: em breve a irmãzita seria batizada e não se podiam dar ao luxo de, em tão poucos dias, se banquetearem com duas bodas. 
Não foi por isso que deixaram de correr e fazer algazarra quando apareceu a estrela e logo se sumiu que o palácio do Herodes estava perto. Cavalgada ligeira e os três Reis a conferenciarem para prepararem a visita ao senhor de Jerusalém! 

O auto esgotou-se rápido e, mal a estrela foi levantada, a debandada foi geral com as mães mais apressadas para os últimos gravetos no borralho. 
Só que, na última volta do caminho, a porta do pátio escancarada provocou-lhes um arrepio; a corrida acelerou. Ainda não tinham chegado e já a criação a cacarejar lhes dizia que alguém abriu a tramela. E um baque sufocou-os: Será que…? 
- Qu’é do galo, … viste-lo? 
De facto, o galo tinha desaparecido misteriosamente! 
Maldita a hora!... Ai se eu o apanhava aqui… 
A guerra tinha terminado há poucos anos, a fome era negra e, à mínima distração a boda podia ficar estragada. E foi o caso: do galo assado nem o cheiro! 

Manuel


sábado, 12 de janeiro de 2013

Património Cultural de Ílhavo: "Nau Catrineta"

Depósito do Museu do Chiado


A “Nau Catrineta”, da autoria de João Carlos Celestino Gomes, ilustra o poema de Almeida Garrett, com o mesmo nome, baseado numa lenda por si recolhida. Este poema relata a história da viagem da nau portuguesa que transportou Jorge de Albuquerque Coelho, em 1565, de Olinda para Portugal. 
Em viagem há já um ano, perdida em alto mar e em desespero, a tripulação “deita sortes à ventura”, caindo esta sobre o Capitão General, cena representada ao centro do tríptico. Quando o marujo sobe ao mastro real e confirma a sentença, o capitão oferece-lhe sucessivas recompensas a fim de evitar a sua morte. Começa por oferecer a mão da sua filha mais bela, entre as três que tem, representadas à esquerda, terminando na oferta da própria nau. 
Prestes a ceder ao demónio, que se revela na figura do marujo e que pretende levar a sua alma, o capitão atira-se ao mar, em entrega a Deus, sendo então salvo por um Anjo que não o deixou afogar, representado à direita. 
Feito a tinta da China em 1929, reflete o trabalho de ilustração da autoria do artista e médico ilhavense, com traço minucioso e onde impera a riqueza de pormenores. 
Exposta atualmente no Centro Cultural de Ílhavo, esta obra é um depósito do Museu do Chiado no Museu Marítimo de Ílhavo. 

Fonte: “VIVER em…”, da CMI

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

São Gonçalinho: Festa e Solidariedade na evocação do beato de Amarante




"Começam esta quinta-feira em Aveiro as festas em honra de S. Gonçalinho, diminutivo localmente dado ao beato Gonçalo de Amarante, que a Igreja Católica evoca a 10 de janeiro.
O site da paróquia de Vera Cruz, que apresenta a programação das festas, sublinha que a ocasião é uma oportunidade para expressar a «alegria» da fé e, ao mesmo tempo, para apelar «à partilha e à solidariedade»."


Ler mais aqui


- Posted using BlogPress from my iPad

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Festas de São Gonçalinho



Vão realizar-se, entre 10 e 14 de janeiro, as Festas em Honra de São Gonçalinho, de grandes tradições em Aveiro e arredores. Mais conhecida pela festa das cavacas e das promessas dos moços e moças casadoiros, costumam mobilizar gentes diversas, inspirando até os artistas de aveirenses. 
A Câmara Municipal de Aveiro informa dos condicionamentos de trânsito que estão previstos no âmbito das Festas de São Gonçalinho, como pode ver aqui.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

domingo, 6 de janeiro de 2013

Edifício de Serviços Públicos da Barra


Serviços Públicos da Barra


A Câmara Municipal de Ílhavo aprovou a proposta de aditamento ao Protocolo de Cooperação entre a Câmara Municipal de Ílhavo e a Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, celebrado em 2007, para a gestão do Edifício de Serviços Públicos da Barra. Pretendeu-se atualizar um conjunto de cláusulas do referido Protocolo de Cooperação, no âmbito da implementação do Programa de Divulgação e Dinamização Turística do Município de Ílhavo. Pretendeu-se ainda atualizar o acordado no que respeita aos encargos salariais do funcionário do edifício, tendo em conta que a Região de Turismo Rota da Luz, responsável pelo pagamento de 20 por cento dos referidos encargos, foi entretanto extinta. 
Com o aditamento agora aprovado, a CMI assume a responsabilidade de comparticipar em 60 por cento os encargos salariais do funcionário da Loja de Turismo da Barra, assumindo a Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré os restantes 40 por cento. 

Fonte: CMI

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 326



POSTAL DO PORTO – 191 



O CORTEJO DE REIS 

Caríssima/o: 

Já não me lembro de o dia 6 de janeiro calhar ao domingo. Este ano é, pois, especial e permite que o dia de Reis se festeje como gostamos: no seu dia! Bem, isto é só uma maneira de falar que nem desabafo chega a ser… 

Epifania… Dia de Reis! 

Haja festa e cortejo! 

Era tradição na nossa Terra (e creio que ainda é) ser esta a primeira grande festa, manifestação popular. Agora o que nem toda a gente pensa é no muito trabalho necessário para que o povo saia para a rua e se regozije a gosto e a preceito. Só um pequeno exemplo: os cânticos e os ensaios… 

Claro, para que saia tudo bem e até pareça que é mesmo assim, todos vamos atrás e cantarolamos e gostamos e estava tudo tão certinho, houve muito trabalho, muita canseira, uma montanha de organização. (Só cá para nós: sabes quando começam os ensaios?) 

De facto, estes ensaios são um quebra-cabeças à prova de bala: horários que convenham a todos, espaços para se reunirem, escolha das músicas e dos cânticos, instrumentistas e instrumentos… E a chuva? E o frio? E o sono? 

Mas o cortejo correu bem, com muita animação, o tempo até ajudou, os donativos razoáveis, … para o ano cá estaremos novamente, para adorar o Menino! 

Lembremos e prestemos a nossa homenagem aos que, por “amor à camisola”, participam, colaboram e animam a Comunidade para que esta se sinta feliz e envolvida nesta atividade cuja realização se perde na memória dos tempos. 

De uma forma especial, queria reverenciar os ensaiadores que, ano após ano, são a alma de todos estes festejos. Na pessoa do senhor Rocha [Manuel da Rocha Fernandes Júnior, n. 6-01-1907, +18-04-1985], que foi ensaiador de excelência, deixo a minha gratidão e reconhecimento. 

Um bom e animado Cortejo de Reis vos deseja o 

Manuel


sábado, 5 de janeiro de 2013

Janeiras na Gafanha da Nazaré


A habitual visita do Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré. Este ano, na véspera do Dia de Reis e com votos de Bom Ano. Todos esperamos que sim, apesar das ameaças. Daqui a um ano saberemos.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Para a história do Porto de Aveiro




Ofício n,º 487, de João Ribeiro Coutinho de Lima, Engenheiro Diretor da JARBA, dirigido a Joaquim Francisco de Melo, guarda, a solicitar informação e levantar autos a Artur da Silva Tavares Espeta, do lugar da Cavada, e Augusto Soares de Andrade, da Rua do Cabeço de Baixo, por terem cortado ervagens “em maninhos não arrematados”. – Aveiro, em 23 de Junho de 1948 – [19 f., 27,3 cm. 

Li aqui

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Filarmónica Gafanhense

Subsídios para a sua história


Filarmónica Gafanhense,
 junto ao Stella Maris

A Filarmónica Gafanhense é uma instituição cuja história não pode cair no esquecimento. Sendo a mais antiga associação musical do concelho de Ílhavo, ela precisa de ficar assinalada como digna de mérito e do seu passado, com origem na sede do nosso município. Os registos históricos não podem escamotear a verdade. Por isso, neste escrito, pude escrever o que foi possível averiguar. Urge, contudo, continuar a atualização dos dados, sem perder o fio à meada. Nessa linha, peço à atual direção e a outras pessoas elementos para que seja viável a sua sintetização. Fico, pois, a aguardar.

Ler mais aqui

Fórum Municipal da Maior Idade

Inauguração: 7 de janeiro, pelas 18.30 horas




«Na próxima segunda-feira, 7 de janeiro de 2013, pelas 18h30, a Câmara Municipal de Ílhavo inaugura o Fórum Municipal da Maior Idade.
Localizado no antigo Jardim de Infância da Cale da Vila, na Gafanha na Nazaré, o Fórum Municipal da Maior Idade é um projeto inovador nos seus propósitos e conceito base, tendo como objetivo principal a criação e manutenção de condições favoráveis para o envelhecimento ativo e para a solidariedade entre gerações.
Numa aposta de concretização através da realização de diversas atividades, dinamizadas de forma integrada pelas Instituições envolvidas, devidamente enquadradas em eixos estratégicos de intervenção, a Câmara Municipal de Ílhavo assinou no passado 10 de setembro de 2012, integrado na Semana da Maior Idade 2012, um conjunto de Protocolos de Cooperação para a criação deste Fórum Municipal.
No arranque deste projeto, a CMI terá como parceiros a Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, a Obra da Providência, o Centro Social Paroquial Nossa Senhora da Nazaré, a Fundação Prior Sardo, a Santa Casa da Misericórdia de Ílhavo, a Associação de Pais e Amigos das Crianças da Gafanha da Encarnação, a Associação de Solidariedade Social da Gafanha do Carmo e a Associação Aquém Renasce.»

Ler mais aqui

Fonte: CMI

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Gafanha da Nazaré: Avenida José Estêvão à espera de obras


Alterações pontuais ao Estudo Urbanístico n.º 27 

A CMI deliberou aprovar duas alterações pontuais ao Estudo Urbanístico n.º 27 da Avenida José Estêvão, na Gafanha da Nazaré, nomeadamente, estabelecer um novo alinhamento do edificado para o gaveto entre a Av. José Estêvão e a Rua Augusto Gil, bem como uma resolução do complexo cruzamento existente entre a Av. José Estêvão, Rua S. Rui, Rua Afonso de Albuquerque e Rua Augusto Gil. A autarquia ainda pretende promover a consolidação do quarteirão agregado à Rua D. Manuel Trindade Salgueiro, requalificando a área de intervenção e aumentando o espaço público e a permeabilidade urbana. 

Fonte: CMI 

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 325


POSTAL DO PORTO - 190 


VIMOS DE LÁ TÃO LONGE… 

Caríssima/o: 

Reiniciemos uma viagem, interrompida algures, mas questionada, solicitada e requerida várias vezes e de alguns modos. Agora, por alvitre do administrador do blogue, se mo permitirdes, e embora com algumas dificuldades, retomo-a. 
Começo no número 190, número redondo que na circunstância não assume qualquer simbologia, é apenas um número; neste caso, é a continuação de uma sequência iniciada em agosto de 1973 e que foi sendo publicada até ao número 189, em dezembro de 1994. 
Ou seja, a um ciclo de vinte anos de publicação, seguiram-se quase outros vinte com diferentes escritos e suportes. Sempre no mesmo espírito de fazer memória do passado, com os olhos no futuro, mas os pés bem assentes no presente, inicia-se este novo ciclo que só Deus sabe até onde nos levará. 
Àqueles que já nos conhecemos, apenas direi que da minha parte não vos darei mais do que aquilo que esperais: escritos curtos, sem pretensões nem intenção de substituir o sermão do pregador da quaresma, tão só imagens fugidias do passado ou impressivas do presente e sempre à espera do vosso comentário, sugestão ou correção. 
Aos novos ou que só agora me acompanharem, peço a vossa compreensão e a desculpa pelo esforço que fareis para entender/atingir a largura da nossa passada. Podeis contar com a minha total disponibilidade para esclarecer ou corrigir algum ponto disforme, confuso ou retorcido. 
Como o postal é do Porto, certo, certo mesmo, daqui partirei por vezes e para muitas direções; contudo, normalmente, o ponto de chegada será a borda da Ria. 
Não resta mais, creio, que desejar um 

Bom Ano! 

Manuel 

NOTA: Imagem da rede. 
 

POSTAL ILUSTRADO — RIA DOUTROS TEMPOS

O postal que reproduzo acima é mesmo um postal ilustrado, não com as cores naturais, mas com tonalidades que eram um luxo para a época....