TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 328

POSTAL DO PORTO – 193 


UM SERMÃO 

Caríssima/o: 

Sinceramente que nunca me preocupei com a sorte do galo pilhado nos Reis desse longínquo ano (muito criança eu era para tal) e menos ainda com o «ladrão». O certo, contudo, é que, depois de enviar o postal para publicar, encontrei um extrato dum sermão de Padre António Vieira. Deixou-me um tanto confuso, pois agora não sei quem era o ladrão: se a dona que o queria comer se quem efetivamente se regalou com ele! 
Para evitar más interpretações (que possam surgir depois da leitura do sermão) sempre direi que quem quer que formule ou imagine comparação com os dias que vamos vivendo por ela se responsabilizará. 
E pregou assim: 

«Suponho, finalmente, que os ladrões de que falo não são aqueles miseráveis, a quem a pobreza e vileza de sua fortuna condenou a este género de vida, porque a mesma sua miséria, ou escusa, ou alivia o seu pecado, como diz Salomão: Non grandis est culpa, cum quis furatus fuerit: juratur enim ut esurientem impleat animam. 

O ladrão que furta para comer, não vai, nem leva ao inferno; os que não só vão, mas levam, de que eu trato, são outros ladrões, de maior calibre e de mais alta esfera (…) 

Não são só ladrões, diz o santo, os que cortam bolsas ou espreitam os que se vão banhar, para lhes colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força, roubam e despojam os povos. – Os outros ladrões roubam um homem: estes roubam cidades e reinos; os outros furtam debaixo do seu risco: estes sem temor, nem perigo; os outros, se furtam, são enforcados: estes furtam e enforcam. 

Diógenes, que tudo via com mais aguda vista que os outros homens, viu que uma grande tropa de varas e ministros de justiça levavam a enforcar uns ladrões, e começou a bradar: 

- Lá vão os ladrões grandes a enforcar os pequenos. 

- Ditosa Grécia, que tinha tal pregador!» [Padre António Vieira – Sermão do Bom Ladrão – 1655] 

E a minha confusão aumentou quando no final o pregador proclama: Ditosa Grécia! 

Manuel 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

Um retrato bonito da Gafanha do Carmo

A Borda