TECENDO A VIDA UMAS COISITAS – 337



POSTAL DO PORTO – 202 



LÁZARO, RAMOS… NA PÁSCOA ESTAMOS 

Hesitei entre deixar umas palavras sobre S. José e o Pai; afinal vamos pelos ramos. 
Alguns provérbios, para abrir: 

- Depois de Ramos, na Páscoa estamos. 
- Os Ramos querem-se molhados. 
- Ramos molhados, anos melhorados. 
- Na semana de Ramos enxuga os teus panos, que na semana maior ou choverá ou fará sol. 
- Páscoa em Março, ou fome ou mortaço. 

E para terminar, este que não conhecia e ouvi no domingo passado da boca de uma transmontana, a Lúcia, esposa do senhor Américo: 

- Ana, Bagana, Rabeca, Fuzana, Lázaro, Ramos, na Páscoa estamos. 

Nestes dias há uma azáfama de se lhe tirar o chapéu: preparar os ramos para entregar à madrinha e ao padrinho. 
Naqueles tempos não era assim, todos procuravam ajudar nos preparativos para a festa da Páscoa: carrear lenha para o forno, juntar e poupar os ovos e comprar a farinha e o açúcar, tudo para a fornada dos folares. Primeiro amassava-se e os mais pequenos davam colaboração preciosa chegando a água e, com o dedo, provando a massa! À hora prevista, acendia-se o lume no forno para o aquecer. Entretanto, estendia-se a massa na mesa e enformavam-se os folares que ainda cresciam! (E cá para nós, muitas moscas sacudiam as nossas Mães! Com a vontade que a canalha estava a provar a massa, se elas se distraíssem, não tinham massa para todos os folares!) 

Forno com os tijolos vermelhos, o pão levedado, feita a prova metendo o braço no forno, folares para dentro e porta na boca! E a espera, a mais longa das nossas vidas! Como gostávamos da primeira prova: às vezes até escaldava! Mas que sabor! E que cheirinho! 
Era então o fazer chegar o folar a casa dos afilhados que ansiosamente o esperavam para o confrontar com o dos amigos e companheiros: o que tivesse mais ovos era o campeão! 

Por aqui me fico que vou pelo alecrim para o Ramo! 

Manuel


Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda