Festa dos Reis na Gafanha da Nazaré

Centenário da freguesia e paróquia


Manuel Caçoilo da Rocha

Manuel Caçoilo da Rocha e a festa dos Reis


Pouco se sabe das festas de Natal e Reis, que hoje suscitam tantas vivências entre nós. Curiosamente, ou talvez não, o Padre Resende nada diz sobre o Cortejo dos Reis. Mas a tradição garante que os cortejos fazem parte da nossa maneira de viver esta quadra tão significativa.
Leopoldo Oliveira, 83 anos, genro de Manuel Caçoilo da Rocha, um abastado e influente comerciante da nossa terra, com estabelecimento perto da igreja onde se vendia de tudo, conta-nos o envolvimento da família na festa dos Reis.
Depois de reforçar a ideia de que não havia efectivamente cortejo no verdadeiro sentido da palavra, refere que foi o sogro o dinamizador daquilo que hoje temos a nível dos Reis.
A partir da obra “Mártir do Gólgota” de Perez Escrich, Manuel Caçoilo da Rocha seleccionou as cenas que considerava fundamentais e ensaiou os primeiros autos em sua casa, envolvendo a família.


O primeiro “anjo” da cena que se apresenta no início do cortejo, em Remelha, foi sua filha Aurélia, de 6 anos, em 1923 ou 1924. Os trajes a condizer com as figuras a apresentar foram confeccionados pela esposa e filhas. Posteriormente, esses trajes passaram a ser utilizados, por aluguer, em data que não é possível precisar. Ainda hoje, os filhos de Leopoldo Oliveira sabem de cor os diversos papéis, participando, normalmente, no Cortejo.
Os trajes passaram a ser alugados a partir daí e por muitos anos para os cortejos das Gafanhas da Encarnação e Carmo e até para outras localidades. A família ainda preparava e alugava as roupas para os “anjinhos” das procissões e para as “primeiras comunhões”.
Leopoldo Oliveira regista que algumas músicas foram feitas e ensaiadas pelo Mestre Rocha, e que sua esposa e cunhadas, as chamadas Caçoilas, cantavam, como sempre cantaram também, nas missas solenes e noutras, ensaiadas pelo referido Mestre, com acompanhamento ao órgão do Padre Redondo.
Manuel Caçoilo da Rocha faleceu em 23 de Novembro de 1945, com 58 anos de idade.

Fernando Martins

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

Famílias Tradicionais da Gafanha

A Borda