Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré - 1

:::
Nada nasce por acaso. Muito menos as instituições que corporizam sonhos e projectos de pessoas empenhadas na sociedade em que se inserem. Foi assim com o Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, que brotou no seio da Catequese da paróquia de Nossa Senhora da Nazaré.
Como à época era tradição, o final do ano catequético era assinalado por uma festa-convívio em que catequistas e catequizandos davam largas à sua imaginação. Não só mostravam as suas habilidades, com cânticos, músicas e pequenas peças de teatro, quantas vezes marcadas pela apresentação de quadros bíblicos, como cimentavam amizades que perduravam por toda a vida. Ainda hoje assim é, sendo certo que muitos cristãos jamais esquecem quantos lhes transmitiram a fé em Jesus Cristo.
Durante os preparativos para uma dessas festas da Catequese, de que era presidente Alfredo Ferreira da Silva, pelo ano de 1980/81, alguém lembrou, entre os quais o prior da altura, padre Miguel Lencastre, que seria interessante apresentar umas danças e cantares dos nossos avós, na esperança de preservar alguns vestígios folclóricos de que não havia grandes referências. E da ideia à prática foi um ápice. Era preciso mesmo pôr de pé a sugestão. E aí começou a germinar o que viria a ser o ponto de partida para a criação de um Grupo Etnográfico.
Porque um projecto destes não pode apoiar-se no improviso, quantas vezes deturpador da realidade, alguém propôs que se contactassem pessoas mais velhas, sempre fundamentais a qualquer trabalho do género. Manuel Retinto Ribau (o tio Retinto), Maria do Carmo Ferreira (tia Maria Ruça) e Maria dos Anjos Sarabando (a tia Sarabanda), entre outros, que antes haviam participado num rancho sem grandes preocupações de rigor, foram os primeiros a ensinar o que se cantava e dançava no seu tempo de jovens.
No salão paroquial, os encarregados de pôr de pé e no palco as danças dos nossos avós, aqueles convidados foram ouvidos, tendo mesmo exemplificado como se cantava e dançava a “Farrapeira”. Depois avançaram com o “Vira de quatro” e foram essas as duas primeiras peças que hoje, e desde então, começaram a fazer parte do repertório do Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré, como ex-libris da nossa terra, sobretudo a primeira.
Apesar da idade já avançado daqueles avós do Grupo, que nos ensaios não se cansavam de repetir as referidas danças, eles foram, sem dúvida, o primeiro livro aberto e vivo por onde se começou a aprender o folclore na nossa terra. Incansáveis, lá foram dizendo e cantando, com as suas vozes já gastas pela vida, mas ainda bem timbradas, as letras e cantares dos nossos antepassados, numa demonstração clara de que a cultura popular regista conhecimentos que todos temos obrigação de aprender para passar aos vindouros.
Num desses ensaios, que decorriam pela noite fora, ficámos encarregados de levar de carro o tio Retinto a sua casa. Acompanhou-nos o Acácio Nunes. Reparámos então que ele transpirava por todos os poros, tal foi o esforço despendido a cantar e a dançar.
- Será que este esforço e o suor não lhe vão fazer mal? — perguntámos.
- Não pense nisso! — respondeu prontamente. E acrescentou:
- Quando chegar a casa, com um bagaço, fico pronto para outro ensaio.
Aprendidas as danças e cantares, vieram os ensaios, mais a rigor. Agora com a ajuda dos músicos, cujos nomes ainda é possível recordar, com ressalva para qualquer lapso, que será corrigido num futuro escrito, até porque este não passa de um subsídio para a história do Grupo Etnográfico da Gafanha as Nazaré. Pela nossa memória e por aquilo que indagámos, foram eles o José Maria Serafim Lourenço, o Carlos Alberto Ferreira, o David Soares, o Manuel Alegria e o Albino Ribau. Como cantadores, registámos os nomes do tio Retinto e da Odete Rola, os que mostraram na festa da Catequese como se cantava antigamente nas Gafanhas.
Depois da apresentação das duas danças e cantares na festa de encerramento do ano catequético, com os trajes mais ou menos a rigor e segundo indicação dos mesmos “mestres”, a ideia de continuar não mais parou. O bichinho já estava no corpo de muitos. As pesquisas e os registos não mais deixaram os entusiastas que logo a seguir estiveram na base desta instituição que tornou a Gafanha da Nazaré mais presente um pouco por todo o País e noutras paragens do mundo.
A convite dos responsáveis da Catequese, o autor destas linhas participou em alguns encontros para falar dos antepassados da Gafanha, dos seus usos e costumes, das suas tradições e da sua génese. Indicou pistas de actuação, de procura do genuíno folclore e falou da importância de se não brincar com a Etnografia, enaltecendo a necessidade de se apresentar em público somente o que oferecesse garantias de autenticidade.
Surge então a proposta de se contactar alguém da Federação do Folclore Português. O nome do saudoso José Maria Marques, na altura vice-presidente da Federação, foi indicado por seu irmão, Severim Marques. Lá se dirigiu a Mourisca do Vouga, onde residia, uma comitiva da Gafanha da Nazaré, constituída por Alfredo Ferreira da Silva, Carlos Alberto Ferreira, Acácio Nunes e por mim próprio.
No primeiro contacto, pouco ou nada se adiantou. José Maria Marques apenas se limitou a uma conversa de circunstância, onde abordou a importância da cultura popular, fazendo logo aí a apologia do rigor histórico como fundamental a qualquer trabalho deste género. Numa segunda visita, leu-nos um trabalho que havia escrito sobre o folclore e etnografia da Gafanha, com a indicação de danças e cantares, trajes e outras tradições. Cedeu então esses apontamentos que alguém guardou. Nunca mais foram vistos.
No entanto, verificámos que nem tudo corresponderia à verdade etnográfica da nossa terra, pelo que se optou, e bem, por avançar para pesquisas no terreno, paulatinas mas firmes e apoiadas no testemunho dos gafanhões mais idosos.

Fernando Martins

NOTA: A História do GEGN vai continuar por aqui. Esperam-se sugestões.
;;

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda