Estória: Retratos


«Estou a ver os homens baixos e magros de camiseta e de ceroulas compridas, de flanela, estas com atilhos amarrados nas canelas, barba por fazer (só se fazia aos sábados, no barbeiro), boné ou chapéu na cabeça, mãos gretadas pelo trabalho duro, descalços, rostos envelhecidos, queimados pelo vento e pelo sol impiedosos, força de vontade férrea, poupados, com gosto pelo trabalho e pela solidariedade tantas vezes manifestada, religiosos sem beatices, amigos dos seus amigos. As mulheres baixas e de pernas grossas, sem cintura e sem pescoço, olhos ingénuos, de chapéu de palha na cabeça por cima de um lenço que amarrava sobre o chapéu, roupas escuras, exceto ao domingo, em que se abusava da cor garrida, sobretudo as das secas do bacalhau, pernas com canos (meias sem pés) enfiados para o sol não as queimar, que era fino tê-las brancas, descalças, mãos gastas pelo trabalhos, tranças na cabeça, porque “permanentes” eram para as da cidade, religiosas sem exageros, amantes do trabalho e poupadas, solidárias e amigas das suas amigas.
Leituras e escritas não são hábitos de homens e mulheres de antigamente, salvo raras exceções.»

Fernando Martins,

de uma palestra proferida num colóquio
organizado pelo GEGN

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda