Um ilhavense um pouco esquecido: Padre Grilo

Padre Grilo com crianças por si recolhidas

Maria da Luz e Rosa Bela deslocaram-se um dia a Braga, onde foram levar dois frades franciscanos (Frei Domingos de Gondifelos e Frei Pedro), que tinham estado a pregar na Gafanha da Nazaré durante uma semana, denominada Santa Missão. Fizeram esta viagem também com a preocupação de visitar uma casa de recuperação, em Braga, que acolhia mulheres com vista à sua reintegração social. O ambiente encontrado foi deprimente para as fundadoras. As muitas mulheres internadas, ao jeito de reclusão, apresentavam-se uniformizadas, com mudança de nome, vivendo entre muros, numa casa que nada tinha de lar familiar. Como não estava presente a superiora, nada puderam decidir sobre o internamento das raparigas, que viviam com Maria da Luz Rocha. Quando deixaram essa instituição vinham desoladas, o que as levou a procurar o padre Grilo, em Matosinhos, que estava doente na altura. Durante esse primeiro encontro, o Padre Grilo falou-lhes de uma Dona Sílvia Cardoso que estava ligada a obras de raparigas mal amadas, nos arredores de Lisboa.
Numa segunda visita ao Padre Grilo, Maria da Luz e Rosa Bela expuseram-lhe os trabalhos desenvolvidos, ainda na procura de soluções em instituições, algures no País. Falaram da necessidade que sentiam em dar um nome ao eventual Lar, para justificar um donativo de cinco mil escudos, atribuído pelo Governador Civil, para sustento das raparigas que já habitavam na casa velha do avô de Maria da Luz.
Durante a conversa, o Padre Grilo, ao ouvir a história do que já tinham feito, disse: “Eu estou aqui a ver o dedo de Deus; não podeis pôr outro nome, senão Lar da Divina Providência.” E assim aconteceu.
Posteriormente, as fundadoras entenderam que a palavra Lar limitava os seus projectos e resolveram substituir Lar por Obra, mais abrangente e com capacidade para abrir casas pelo País. Obra da Providência foi, então, o nome que perdurou até hoje.

NOTA — O Padre Manuel Francisco Grilo nasceu em Ílhavo em 14 de Maio de 1888, filho de mãe padeira e de pai marítimo. Estudou no Seminário de Coimbra, diocese onde foi ordenado em 1910, com 22 anos. Também frequentou Agronomia e Medicina. Pelas suas ideias inovadoras a vários níveis, que costumava aplicar na ajuda aos mais desfavorecidos, incompatibilizou-se com as «altas esferas» civis, o que o levou a ser julgado, condenado e expulso do Distrito de Aveiro, em 1913. Foi então viver para Leça da Palmeira, em casa de família, e em 1928 fundou a Conferência de S. Vicente de Paulo, de onde brotou a Sopa dos Pobres, que chegou a alimentar e a vestir 680 pessoas da classe piscatória. Cria, entretanto, um refúgio para crianças abandonadas, as Escolas Católicas e o Secretariado do Desemprego. Mais tarde, funda a Obra Regeneradora dos Rapazes da Rua, em 1942. Morre em 1 de Novembro de 1968.

Fonte: Artigo de Marina Sequeira, publicado no jornal A Voz de Leça, em Janeiro de 2006.

Do livro em preparação “Obra da Providência”

Comentários

Seja feliz Sempre
Feliz 2011
Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

Famílias Tradicionais da Gafanha

A Borda