Gafanha da Nazaré — Décima década

2000 – 2009


Jardim Oudinot
Santo André no Canal de Mira, no Oudinot

Entrámos na décima década de vida da freguesia e paróquia com a certeza de que o centenário teria de ser um acontecimento para ficar na memória do nosso povo. Cem anos não se celebram todos os dias e se olharmos para trás, para apreciar os caminhos andados, temos de reconhecer e admirar a luta constante e tenaz que foi necessária para alcançar o progresso, em vários setores, do material ao espiritual, numa perspetiva de contribuir de forma significativa para o bem-estar de todos os gafanhões, sejam eles de origem ou por opção pessoal.
Fixando os nossos olhares na idosa senhora que é a Gafanha da Nazaré, vemos, com ternura, quanto ela quer e tem rejuvenescido nas últimas décadas, com os pés bem assentes no trabalho exemplar que nos foi legado pelos nossos avós. 
Durante o Jubileu do ano 2000 há referências à construção da Tenda de Jacob, espaço de convívio e reflexão, na zona da Colónia Agrícola, e em novembro de 2007 são dadas por concluídas as obras em todo o recinto, agora denominado Centro de Recursos Mãe do Redentor.
Para preservar a memória dos seus princípios como freguesia e paróquia, foi inaugurada a Casa Gafanhoa, símbolo do viver de um agricultor rico, que merece novas estruturas de apoio, para dinamizar a divulgação do nosso artesanato e de sinais escritos e outros do nosso passado.
Sentimos, nesta década, que seria importante preparar-lhe uma boda festiva e condigna. Foi elevada à categoria de cidade, o bicentenário da abertura da Barra de Aveiro foi celebrado com pompa e circunstância e o Jardim Oudinot, ampliado e com adaptações aos novos ares, foi oferecido à nossa terra e arredores, como era de justiça, tornando-se numa sala de visitas da região, em especial, e do concelho de Ílhavo, em particular.
O velho e glorioso Santo André, um arrastão que chegou a ser campeão na pesca do bacalhau, foi salvo da sucata e transformado, com muita dignidade, em navio-museu, integrado no Museu Marítimo de Ílhavo, este último de projecção mundial.
A igreja matriz, dedicada a Nossa Senhora da Nazaré, foi profundamente melhorada, com bom gosto, apresentando-se agora muito mais funcional e disposta a acolher novas propostas pastorais para um futuro mais de acordo com a Boa Nova, com projetos de um futuro espiritual mais dinâmico e interventivo.
Em 8 de dezembro de 2006, D. António Francisco dos Santos, até então Bispo Auxiliar de Braga, foi nomeado pelo Santo Padre para Bispo de Aveiro.
Com a saída do Prior Fidalgo, assume o cargo de Administrador Paroquial o Padre Paulo Cruz, pároco da Costa Nova e da Praia da Barra, que contou com a colaboração no serviço paroquial do Padre Luís Filipe. Não foi, nem podia ser, um período de grandes alterações no quotidiano da paróquia, salvo uma ligação mais próximo que ambos conseguiram imprimir nos contactos com o povo. 
Entrou também na paróquia um novo Prior. É ele o Padre Francisco Melo, jovem e dinâmico sacerdote, que aposta em implementar uma pastoral de serviço a todos os gafanhões e a quantos optaram por residir nesta terra, com nova organização e com redobrada atenção à pastoral social. Paralelamente, é nomeado Prior da Gafanha da Encarnação, ao mesmo tempo que é responsável pela Vigararia da Pastoral Geral da Diocese de Aveiro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda