TECENDO A VIDA UMAS COISITAS - 314


PITADAS DE SAL – 44 



A SEMENTEIRA DO SAL 
E A CAÇA AOS GAFANHOTOS 

Caríssima/o: 

Pois aí fica mais um conto popular; este terá o condão de nos fazer sorrir… com a vantagem de ter um final feliz! 

«Passando por Fajão um almocreve que vendia sal, logo lho compraram e semearam como se semeassem centeio. 
Passou-se muito tempo, e como o sal não nascesse, tomaram a resolução de esperar o homem que lhes tinha vendido o sal. 
Chegado a aparecer, os homens perguntaram-lhe, indignados, que lhes tinha ele vendido, pois tinham semeado o sal e ele não nasceu. 
Disse-lhes então o vendedor: 
— Pois vocês deixaram-no comer aos gafanhotos! 
E foi o que lhe valeu, dar esta desculpa. 
De facto, antigamente havia muitos gafanhotos e, de tempos a tempos, vinham mesmo pragas de gafanhotos que roíam as hortas e tudo. De modo que os de Fajão resolveram juntar-se e fazer-lhes uma batida. 
Armaram-se de espingardas e foram para os campos onde os gafanhotos andavam, para lhes darem caça. 
A certa altura um gafanhoto saltou e foi poisar-se no peito do Pascoal. O Pascoal viu que tinha o gafanhoto poisado no peito, e então não falou, para não espantar a caça, mas fez sinal a outro caçador, e apontou com o dedo para onde estava o gafanhoto. O outro vai e aponta a arma ao gafanhoto. Claro está que o Pascoal caiu também, como morto. Mas por sorte não morreu, porque o tiro era fraco.» [Narração de António Lucas - Contos de Fajão - Recolha de Monsenhor Nunes Pereira - Edição do Museu Antropológico de Coimbra] 

Manuel 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

Um retrato bonito da Gafanha do Carmo

A Borda