Descontentamento de gafanhões em relação a Ílhavo



Mestre Mónica


Os tempos mudaram, mas é bom recordar

Tenho-me interrogado inúmeras vezes sobre o porquê de um certo espírito de descontentamento de gafanhões em relação a Ílhavo, que não em relação aos ilhavenses. Na minha meninice e juventude era notória até uma atitude de revolta.
Com o tempo, e sobretudo depois de na primeira cadeira autárquica se sentar um gafanhão, gestos de descontentamento e revolta começaram a atenuar-se. Hoje, em plena democracia, as relações tornaram-se cordiais, pese embora os naturais pontos de vista divergentes dos vários partidos políticos existentes.
Sabe-se que a Câmara de Ílhavo, desde a criação da freguesia da Gafanha da Nazaré e mesmo antes disso, mostrou um desprezo incompreensível pelas Gafanhas e pelos gafanhões. Nas sessões camarárias, pouco ou nada se falava deles. Apenas entravam nas agendas Ílhavo e Costa Nova. Tudo o mais era relegado para as calendas gregas.
Em 1936, o ponto de ruptura atingiu nível elevado. A energia eléctrica passou por cima da Gafanha da Nazaré para a Costa Nova e Barra, porque o Farol necessitava dela, e os gafanhões foram ignorados. Não havia dinheiro para eles nem para as indústrias e comércio locais.
A revolta deu origem à Cooperativa Eléctrica, para nos dar luz e energia. E só em 1939 foi possível aos gafanhões olharem-se cara a cara à noite.
Por essa e outras razões, o “Diário de Lisboa” foi alertado para as injustiças de que se queixavam os nossos avós. E em 14 de Agosto de 1947 inicia a publicação de uma reportagem, desdobrada em quatro publicações, com início na primeira página e continuação nas centrais, intitulada “A Ria de Aveiro e a sua Gente”, da responsabilidade de um «enviado especial». Começa assim:


«Mão fina de mulher trouxe à nossa Redacção esta nota que era um apelo às nobres intenções de quem vive pela terra: “Venha a Aveiro e à sua Ria, dê um salto à Gafanha e à Praia da Barra, se quer acaso conhecer os verdadeiros problemas de um povo que anda à roda das cinco mil pessoas …”
E nós fomos a Aveiro e à sua Ria, nas horas da sua vida intensa ou nas outras de misteriosos silêncios — e demos um salto à Gafanha, freguesia do Concelho de Ílhavo, e à Praia da Barra, que por ironia do destino, pertence à mesma terra do velho arrais Gabriel Ançã. Do que vimos e ouvimos vamos dar conta, deixando que a terra, o mar, e os homens façam ouvir o seu clamor…»

O enviado especial, não nomeado, descreve a Ria como «um sortilégio da Natureza» e diz que «a gente que a contorna sabe o que deve ao labor que ela lhe faculta». 
Conta a história da laguna e entra na Gafanha para ver e ouvir o povo e alguns líderes locais. Regista que a Praia da Barra pretende depender do Concelho de Aveiro, por ser «o que mais convém às condições do seu progresso». Defenderam esta hipótese D. Carolina Homem Cristo, Dr. Peixinho, Dr. Alberto Machado, Coronel Gaspar Ferreira e Egas Salgueiro, entre outros, todos de Aveiro, mas com ligações grandes à Praia da Barra e à Gafanha da Nazaré, por segunda residência ou indústrias.
Mestre Mónica foi ouvido e sentido como poucos. «Se a Gafanha não existisse, Ílhavo não poderia ser concelho de segunda! E todavia, os ilhavenses não acreditam nesta verdade e andam há dezenas de anos a ocultá-la de si próprios, negando à nossa terra todos os benefícios», disse.
Depois afiançou ao jornalista que a transferência para o concelho de Aveiro foi reclamada por «oitenta por cento da população da Gafanha» que havia assinado «uma exposição dirigida ao ministro do Interior, por intermédio do Governo Civil», com o intuito da mudança de concelho.
Confirmou, entretanto, que a exposição não saiu do Governo Civil, por o chefe do Distrito ter duvidado da autenticidade das assinaturas. «Gastei contos de réis para mobilizar dezenas de camionetas, mas carreguei com a “gafanhotada” toda para Aveiro», mas o Governador Civil não pôde comparecer», esclareceu.
O capitão Vilarinho denunciou que «não há gafanhão que tenha o gosto ou o hábito de lá ir» [a Ílhavo] e Clarinda Castro Teixeira considera mesmo que a passagem para Aveiro é tão precisa «como o pão para a boca». Diz que «os de Ílhavo embirraram connosco. É de sempre».
O último a pronunciar-se sobre esta pretensão do povo da Gafanha da Nazaré foi o presidente da Câmara de Ílhavo, Dr. João Senos, que tentou justificar as carências da nossa comunidade e as dificuldades em lhe dar respostas adequadas.
Apontou o que tem feito na autarquia para resolver os problemas, acrescentando que tudo estaria a ser estudado. E sublinha a dado passo do seu depoimento:
«Sabe no que creio? No valor dos gafanhões, no seu progresso. E essa crença me leva a outra: dentro de anos, a Gafanha não pertencerá nem ao concelho de Aveiro nem ao de Ílhavo. O ritmo da sua prosperidade, fruto da prosperidade de outros lugares todos os dias nascidos sob a sua égide — essa é que há-de determinar a constituição da Gafanha em sede de concelho!»
O descontentamento continuou e as reivindicações sucederam-se numa luta desigual. Quem ocupava cargos políticos nem sempre sabia ou queria ouvir o povo, agindo como uns “iluminados”. À ideia de mudar de concelho seguiu-se a da criação do concelho da Gafanha, que englobasse as diversas povoações com esse nome. Pretendia-se avançar para uma unidade geográfica caracterizada por uma identidade humana muito mais próxima. Não deu frutos e a Gafanha da Nazaré não terá perdido nada com isso.
As razões que motivaram essa reivindicação prenderam-se com a frustração que os gafanhões experimentaram face à impossibilidade de ocuparam cargos de liderança no Município. Isso era monopólio dos ilhavenses.
Com o advento da democracia tudo se alterou. Nos últimos anos, a cadeira da presidência da Câmara de Ílhavo tem estado ocupada por gafanhões. E com eles, sobretudo nos mandatos do Eng. Ribau Esteves, a situação alterou-se. As Gafanha são tratadas em pé de igualdade com a sede do Município.

Em "Gafanha da Nazaré - 100 anos de vida"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

Famílias Tradicionais da Gafanha

A Borda