Escritores fascinados pela Ria de Aveiro — 24

Salina


«As casas cobriam-se de colmo, talvez da própria bajunça com que das chuvas dos Invernos se protegiam os cónicos montes de sal. Cobriam-se do colmo que nascia, espontâneo e abundante, nos terrenos alagadiços recém-formados. Só com o andar dos tempos, a incipiente capacidade artesanal – já que seria pretenciosa impropriedade empregarem relação a essas remotas épocas termo tão dos nossos usos como que é a tecnologia – aproveitaria o barro do ao redor da moradia rústica para produzir a malga do caldo e a telha. Só com esta colocaria a primeira nota avermelhada no ambiente onde dominavam os tons verdes, de larga gama, tenros ou secos, e tão só se evidenciava nos róseos arrebóis ou nos escarlates dos poentes – esses mais remotos que a Pelagia Insula que se tem visto coincidir com o advento da formação lacustre que, centúrias de anos após, tomou o nome de Ria de Aveiro. E adoptou esse crisma da Ria, que é legenda dos nosso cartazes, espelho do nosso narcisismo bairrista e nosso «slogan» sintético para proclamação de divulgadoras aliciações, e satisfez a nossa ufania glóssica para a designação e fixação nas retentivas, nossas e alheias, dessa primacial fonte de beleza e riqueza.
E pouco importa se, por analogia não muito rigorosa com outros complexos aparelhos hidráulicos naturais, que não estamos obrigados, cidadãos comuns, aveirenses-homens da rua a acompanhar os geógrafos que velam pela austera e estrita propriedade terminológica da sua ciência.
O sentido estético da linguagem e a consagração do uso sobejariam para uma adopção perene e inalienável, e para uma cabal justificação semântica. E uma coisa são os cientistas com seus rigores e definições, e outra nós, que, se não fizemos, baptizámos, e deste costume e gosto, e espírito afectivo de família de dizer Ria de Aveiro, não abdicamos. Seria como que uma abjuração. Raul Proença o notava uma vez a um dos mais ilustres e prestantes aveirenses deste nosso século.»

Eduardo Cerqueira
"Aveiro e o seu Distrito", n.º 13, 1972

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda