GAFANHA DA NAZARÉ: Desporto

:
CONTRIBUTOS PARA A HISTÓRIA DO FUTEBOL
:
Em finais da década de 40 e início da década de 50, existiram três clubes de futebol não federado, na Gafanha da Nazaré e um na Gafanha da Encarnação. Mais tarde, já em meados da década de 50, surgiu na Cale da Vila implementado por um grupo de estudantes, o “INDEPENDIENTE”, que pretendia ser uma réplica da Académica de Coimbra. Também era de estudantes e também equipava todo de negro.
Não sei qual dos três clubes seria o mais antigo, já que eu era ainda muito criança, mas sei que havia na altura uma grande rivalidade entre eles e também com o “Estrela da Gafanha da Encarnação”. Outros tempos… os mesmos sentimentos, as mesmas paixões pelo futebol!... Eram instituições que viviam quase exclusivamente da carolice dos seus mentores, autênticos patrões que dispunham a seu bel-prazer e à sua custa, dos favores e desfavores dos resultados desportivos obtidos.
Vamos começar pelo União, já que foi esta instituição que sobreviveu durante mais tempo, e que acabou por estar na origem do actual Grupo Desportivo da Gafanha, em Agosto de 1957:

1. UNIÃO DESPORTIVA GAFANHENSE Sede Social – BEBEDOURO, próximo da Igreja Matriz (casa do Aurélio da Neta) Campo de Jogos – FORTE DA BARRA Equipamento habitual – AZUL E BRANCO Último Presidente – HENRIQUE CORREIA (Motorista dos Estaleiros Mónica) Inicialmente o União utilizava um pelado existente no meio do juncal, na Ilha da Mó do Meio, espaço que chegou também a ser utilizado para provas de hipismo. Mais tarde, já no Campo do Forte da Barra, era necessário levantar os carris que atravessavam o pelado, sempre que o recinto era preciso para a realização dos jogos. O União talvez tenha sido o único dos três clubes, que funcionava verdadeiramente como associação: - Tinha uma direcção e tinha sócios, enquanto que os outros dois, tinham um patrão, uma sede em casa desse patrão e eram financiados pelo mesmo patrão.
2. ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA GAFANHENSE Sede Social – CALE DA VILA (barbearia do senhor Ernesto Tavares) Campo de Jogos – POUSIO DO MILIONÁRIO CARLOS (Sítio das Lebres) Equipamento habitual – VERDE E BRANCO Presidente/Patrão – ERNESTO TAVARES A Associação era bastante apoiada pelo público da Cale da Vila, porque também se tratava do lugar da freguesia com maior densidade populacional. Era frequente a assistência em apoio à sua equipa, cantar: “A Associação trabalha Como eu quero Agora é que não falha Os nove a zero” Estas quadras eram cantadas até à exaustão durante os jogos e repetidas no regresso, pelo “meio das terras”, quando o resultado era favorável aos da Cale da Vila.
3. ATLÉTICO CLUBE DA MARINHA VELHA Sede social – MARINHA VELHA (casa do senhor Casqueirita) Campo de Jogos – PRAIAS DE JUNTO (próximo do moinho do Conde na Marinha Velha) Equipamento habitual – ENCARNADO E BRANCO Presidente/Patrão – MANUEL CASQUEIRA (Casqueirita) O senhor Casqueirita que também se dedicava ao amanho das terras, era um homem com jeito e apetência para a confecção de trajes para os “anjos” das procissões, bem como para as tarefas de cangalheiro, na organização de funerais e de seus aprestos. No entanto, nutria um amor muito especial pelo seu Atlético, onde gastou uma grande parte dos proventos que angariava nessas actividades.
Nesse tempo, ele já pagava a jogadores, para virem nas “horas vagas” do Beira Mar, dar uma ajudinha para derrotar os principais rivais. Como o campo de futebol se situava muito junto à Ria, muitas vezes o horário dos jogos tinha de ser compatibilizado com o horário das marés na baixa-mar. Durante a praia-mar, principalmente nas marés vivas, era frequente o campo ficar debaixo de água, impossibilitando, deste modo, a realização dos jogos.

 Generalidades

 Nesses tempos, apesar das dificuldades de transporte e embora eu fosse bastante jovem, já nutria um carinho muito especial pelo UNIÃO. Com o meu amigo José “Perrana” (falecido muito jovem), nós deslocávamo-nos de bicicleta aos lugares onde o União ia jogar com outras equipas da sua igualha. Nós íamos a Vilar, à Costa do Valado, ou à Oliveirinha nos arredores de Aveiro. Mas também nos deslocávamos a Fermentelos, no concelho de Águeda, ou à Amoreira da Gândara, no concelho de Anadia, apenas pelo prazer de ver jogar o Hortênsio, o Fernando Vaz (Alentejano) e seus pares. Armando Cravo

 NOTA: Agradeço ao meu amigo Armando Cravo a disponibilidade com que acedeu ao convite para colaborar neste meu blogue, com o único objectivo de nos ajudar a reviver tempos idos. É com estes contributos que é possível deixar aos vindouros as marcas indeléveis do nosso passado, de que tanto nos orgulhamos. Assim outros se juntem a nós…

FM
::

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Ponte da Cale da Vila que ruiu

A Borda